#Histórias de Natal – Tânia Ribas de Oliveira

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira

Com um sorriso contagiante, a apresentadora Tânia Ribas de Oliveira conta-nos como eram os Natais (extra-doces) em casa dos avós e com ainda hoje vibra com esta quadra mágica.

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira

O natal em casa dos avós

“As melhores memórias do Natal são em casa dos meus avós. Havia sempre a tradição de esperarmos até à meia-noite pelo Pai Natal e escondíamo-nos no quarto porque ele chegava pela cozinha. Comíamos muitos doces! A minha avó é uma ótima cozinheira. Fazia sempre mousse de chocolate e bolas de carne, porque os meus avós são transmontanos.”

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira

O entusiasmo de decorar a árvore

“O momento de montar e decorar a árvore é sempre muito especial lá em casa, porque nunca aguentamos até ao dia 1 de Dezembro para o fazer. Na realidade, sou eu quem fica mais ansiosa e não propriamente os meus filhos! Então, entre o dia 20 e 25 de novembro montamos e decoramos a árvore de natal em tons de vermelho e branco. A casa fica mesmo muito, muito acolhedora e bonita nesta época. Na decoração não podem faltar os pais natal claro, o meu carrossel – tenho um carrossel muito especial que está sempre a rodar – e o nosso presépio que é “à moda antiga”. Também decoramos a árvore com sombrinhas de chocolate porque é algo que o meu marido faz desde pequenino e, por isso, fazemos questão de manter a tradição. Claro que nunca chegam ao Natal… mas os miúdos ficam todos contentes e nós também!”

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira

A correria no grande dia

“O Natal é comemorado entre a casa dos meus sogros e a da minha mãe, passando pela do meu pai. Portanto é sempre a andar de um lado para o outro. Mas as distâncias são curtas e estamos sempre juntos e felizes.

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira

O que representa o natal

“O Pedro é ainda muito pequenino, só tem dois anos. Mas o Tomás já sabe o que representa o Natal e a importância da solidariedade. Desde dos dois anos, é ele que enche sacos de brinquedos com que já não brinca e vamos entrega-los à Ajuda de Berço. E é ele que entrega e que brinca com os meninos da Ajuda de Berço. Desde pequeninos que lhes incutimos o espírito de solidariedade porque é isso que representa o Natal.“

Conheça as Histórias de Natal de outras figuras públicas Aqui.

Horto do Campo Grande - Histórias de Natal - Tânia Ribas de Oliveira